sábado, 10 de dezembro de 2016

Prémio Pessoa 2016: Frederico Lourenço


O Prémio Pessoa de 2016 foi atribuído a um dos grandes nomes da cultura portuguesa, Frederico Lourenço.

Frederico Lourenço é o tradutor da mais completa versão da Bíblia em Língua Portuguesa – de que a Quetzal publicou já o primeiro volume (o segundo volume será publicado no início do próximo ano).
É a primeira vez que esta tradução, a partir do original (a chamada Bíblia Grega), está disponível em Língua Portuguesa, contendo todos os livros do Novo e do Antigo Testamento (o primeiro volume inclui os Quatro Evangelhos de Mateus, Marcos, Lucas e João). Este projeto constitui o culminar de um longo trabalho de estudo, tradução, edição, e reescrita na nossa Língua, ao mesmo tempo que assinala a importância decisiva da Bíblia como um dos pilares e referências centrais da nossa civilização. O presidente do júri do Prémio Pessoa, Francisco Pinto Balsemão, elogiou os «elevados critérios de integração contextual, história e linguística, deste livro maior de ressonância universal em toda a história humana.»

Ficcionista, ensaísta, poeta, tradutor, Frederico Lourenço nasceu em Lisboa, em 1963, e é atualmente professor na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (depois de mais de uma década na Universidade de Lisboa, onde se doutorou com uma tese sobre Eurípides). Traduziu a Ilíada e a Odisseia de Homero, bem como um volume de poesia grega, duas tragédias de Eurípides ou peças de Schiller e Arthur Schnitzler. No domínio da ficção é, entre outros títulos, autor da trilogia Pode Um Desejo Imenso (que inclui também, além do título homónimo, os romances O Curso das Estrelas e À Beira do Mundo). Publicou ensaios como O Livro Aberto: Leituras da Bíblia ou Grécia Revisitada, e livros de poemas como Santo Asinha e Outros Poemas e Clara Suspeita de Luz.

O Prémio Pessoa, uma iniciativa conjunta do semanário Expresso e da Caixa Geral de Depósitos, junta-se aos prémios PEN Clube (2002), D. Diniz da Casa de Mateus (2003), Grande Prémio de Tradução (2003) e Prémio Europa David Mourão-Ferreira (2006), que Frederico Lourenço já recebeu antes.

sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

José Luís Peixoto: Prémio Oceanos 2016


José Luís Peixoto é o vencedor da edição deste ano do Prémio Oceanos - Prémio de Literatura em Língua Portuguesa, organizado pelo Itaú Cultural, no Brasil – herdeiro do antigo Prémio Portugal Telecom. O escritor português venceu o prémio com o romance Galveias, publicado pela Quetzal em Portugal, em 2014.
             
O anúncio foi feito na noite de terça-feira, em São Paulo. Peixoto foi o único escritor português consagrado nesta edição do mais importante e prestigiado prémio literário do Brasil. Para além da notoriedade da literatura portuguesa, a nível internacional, associada à atribuição deste galardão, Peixoto recebe um prémio no valor de 100 mil reais, o que corresponde a cerca de 27 mil euros.

Galveias – nome da aldeia natal de Peixoto, no Alentejo – está entre os grandes romances alguma vez escritos sobre o mundo rural português.

Um misterioso objecto cai sobre uma pequena vila do interior de Portugal – esse facto vai marcar a vida de todos os habitantes e é o ponto de arranque para um fantástico elenco de personagens que compõe este romance e que, capítulo a capítulo, desenha um mundo cheio de acontecimentos que oscilam entre o trágico e o cómico, entre o nostálgico e o dramático. Galveias é um retrato de vida, a imagem despudorada de uma realidade que atravessa o país e que, em grande medida, contribui para traçar-lhe a sua identidade mais profunda.

Sobre José Luís Peixoto, Vasco Graça Moura disse que é «um grande ficcionista e, também, um grande prosador da língua portuguesa, capaz de extraordinárias notações do real, de ritmos inovadores e até de uma relação estrutural com as formas musicais que não tem precedentes entre nós».

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Uma Punhalada No Escuro: Lawrence Block


Uma Punhalada No Escuro
Título: Uma Punhalada No Escuro
Autor: Lawrence Block
Editora: Livros Cotovia
Classificação: 4 Estrelas

Ficha do Goodreads aqui

Este é o segundo livro que leio, quer do autor, quer da personagem Mathew Scudder mas curiosamente, é o quarto livro de uma série (o primeiro que li era o sétimo) de dezassete. No entanto, este facto não prejudicou em nada a minha leitura.

Neste livro, um serial killer que matou oito mulheres é preso nove anos depois e confessa a autoria dos crimes, todos excepto o de Barbara Ettinger, e tem um álibi irrefutável. O pai da vítima tenta que a polícia reabra o caso mas alegam-lhe que passou demasiado tempo e sugerem-lhe que procure Matthew Scudder.
Scudder, é um ex-polícia que agora é detective particular (sem licença) mas um homem bastante perspicaz e sério. No entanto, é um homem com as suas falhas, divorciado e a viver afastado dos filhos e ainda alcoólico, mas apesar disso, sempre muito competente no seu trabalho.
Narrado na primeira pessoa, vamos conhecendo de perto as investigações de Scudder mas, e ao contrário do que se poderia esperar, pouco sabemos da sua vida pessoal e da sua personalidade.
O autor foca-se então na investigação, com as entrevistas/conversas com quem se relacionou com Barbara, sempre detalhadas para que o leitor consiga vá tentando juntar as peças.
Uma história que, logo no início, me agarrou!

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Personagens Malditas da História: André Canhoto Costa

O último livro lido para o projecto #lerosnossos 


Personagens Malditas da História
Título: Personagens Malditas da História
Autor: André Canhoto Costa
Editora: Saída de Emergência
Classificação: 4 Estrelas


Ficha da Saída de Emergência aqui

 
Tal como o próprio título indica, este livro aborda a vida de personagens que, digamos, não são recordados por bons motivos, desde Hitler, a Napoleão mas também Marquês de Pombal ou até George W. Bush.
O autor apresenta-nos então a vida de 30 personagens, organizadas em 6 grupos: revolucionários, totalitários, chefes militares, carismáticos, conspiradores e pensadores.
Com um leque de personagens vasto, quer desde portugueses mas também internacionais, e desde os históricos como também contemporâneos.
Encontramos, para cada uma das 30 personagens da História, uma pequena biografia, desde as suas infâncias e focando-se nos pontos fulcrais. Mas não pensem que por serem pequenas biografias que o livro é chato, porque não é.
Com uma escrita fluída e bastante acessível, somos transportados para as vidas das 30 personagens.
Um aspecto que gostei bastante foi o facto de termos uma espécie de introdução à personagem, mas num tom mais pessoal, onde o autor nos vai contando alguns aspectos da sua própria vida.
Um livro muito interessante, que me manteve sempre agarrada e cujas páginas "voaram" em poucos dias.
Muito bom!


Nota: Este livro foi-me disponibilizado pela editora, em troca de uma opinião honesta.

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Resultado Passatempo As Trevas de Baltar


Com a gentil oferta do autor Henrique Anders, tínhamos para oferecer um exemplar autografado do livro com dedicatória personalizada, do livro "As Trevas de Baltar".

Desde já agradeço ao Henrique e a todos os participantes no sorteio.
Com 50 participações (infelizmente continuam a existir participantes não respeitam todas as regras) e após sorteio no random.org, o vencedor é:


Muitos parabéns Silvana, Por Detrás das Palavras!

A todos os que tentaram mas não conseguiram, não desanimem!
Boas leituras para todos!